Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

Blogue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

...

Gonna find a way to cure this loneliness

Yeah I'll find a way to cure the pain

If I said that you're my friend

And our love would never end

How long before I had your trust again

I opened up the doors when it was cold outside

Hopin' that you'd find your own way in

But how can I protect you

Or try not to neglect you

When you won't take the love I have to give

I bought me an illusion

An I put it on the wall

I let it fill my head with dreams

And I had to have them all

But oh the taste is never so sweet

As what you'd believe it is -

Well I guess it never is

It's these prejudiced illusions

That pump the blood

To the heart of the biz

You know I never thought

That it could take so long

You know I never knew how to be strong

Yeah, I let you shape me

But it feels as though you raped me

'Cause you climbed inside my world

And in my songs

So now I've closed the door

To keep the cold outside

Seems somehow I've found the will to live

But how can I forget you

Or try not to reject you

When we both know it takes time to forgive

Sweetness is a virtue

And you lost your virtue long ago

You know I'd like to hurt you

But my conscience always tells me no

You could sell your body on the street

To anyone whom you might meet

Who'd love to try and get inside

And bust your innocence open wide

'Cause my baby's got a locomotive

My baby's gone off the track

My baby's got a locomotive

Got ta peel the bitch off my back

I know it looks like I'm insane

Take a closer look I'm not to blame

No

Gonna have some fun with my frustrations

Gonna watch the big screen in my head

I'd rather take a detour

'cause this road ain't gettin' clearer

Your train of thought has cut me off again

Better tame that boy 'cause he's a wild one

Better tame that boy for he's a man

Sweetheart don't make me laugh

You's gettin' too big for your pants

And I's think maybe you should

Cut out while you can

You can use your illusion -

Let it take you where it may

We live and learn

And then sometimes it's best to walk away

Me I'm just here hangin' on

It's my only place to stay at least

For now anyway

I've worked too hard for my illusions

Just to throw them all away

I'm taking time quiet consolation

In passing by this love that's passed away

I know it's never easy

So why should you believe me

When I've always got so many things to say

Calling off the dogs a simple choice is made

'Cause playful hearts

Can sometimes be enraged

You know I tried to wake you

I mean how long could it take you

To open up your eyes and turn the page

Kindness is a treasure

And it's one towards me you've seldom shown

So I'd say it for a good measure

To all the ones like you I've known

Ya know I'd like to shave your head

And all my friends could paint it red

'Cause love to me's a two way street

An all I really want is peace

But my baby's got a locomotive

My baby's gone off the track

My baby's got a locomotive

Got ta peel the bitch off my back

I know it looks like I'm insane

Take a closer look I'm not to blame

No

Affection is a blessing

Can you find it in your sordid heart

I tried to keep this thing ta-gether

But the tremor tore my pad apart

Yeah I know it's hard to face

When all we've worked for's gone to waste

But you're such a stupid woman

And I'm such a stupid man

But love like time's got its own plans

'Cause my baby's got a locomotive

My baby's gone off the track

My baby's got a locomotive

Got ta peel the bitch off my back

I know it looks like I'm insane

Take a closer look I'm not to blame

Yeah

If love is blind I guess I'll buy myself a cane

Love's so strange

"And I'd join the movement if there was one I could believe in. No new ideas in the house and every book has been read."

Acrobat, U2.

"Don't believe what you hear
Don't believe what you see
If you just close your eyes
You can feel the enemy
When I first met you girl
You had fire in your soul
What happened your face of melting in snow?
Now it looks like this
And you can swallow
Or you can spit
You can throw it up
Or choke on it
And you can dream
So dream out loud
You know that your time is coming 'round
So don't let the bastards grind you down
No, nothing makes sense
Nothing seems to fit
I know you'd hit out
If you only knew who to hit
And I'd join the movement
If there was one I could believe in
Yeah I'd break bread and wine
If there was a church I could receive in
'Cause I need it now
To take the cup
To fill it up
To drink it slow
I can't let you go
I must be an acrobat
To talk like this
And act like that
And you can dream
So dream out loud
And don't let the bastards grind you down
Oh, it hurts baby
What are we going to do? Now it's all been said
No new ideas in the house and every book has been read
And I must be an acrobat
To talk like this
And act like that
And you can dream
So dream out loud
And you can find
Your own way out
And you can build
And I can will
And you can call
I can't wait until
You can stash
And you can seize
Responsibilities
And I can love
And I can love
And I know that the tide is turning 'round
So don't let the bastards grind you down"

 

 

 

Aos 14 anos senti...

  ...o que jamais esquecerei, tendo dado a volta, pelo adeus, ao bom dia. (Oh, yeah! It's no secret that the stars are falling from the sky. The universe exploded 'cause of one man's lie. Look, I gotta go, yeah I'm running outta change.
There's a lot of things, if I could I'd rearrange).

Porém, sinto-lhes a falta, dos dias de labirinto. Do, ao provar-me finito, saber a infinito. Foram dias de segredos, de iniciações, de mudanças de pele. Foram Anos de Serpente

Obrigadinho, /i, pelo trabalhinho matinal. Ficaram-me, hoje, mais três, embora tenha, cá dentro e num disco externo, os riscos do álbum todo. Usei, como critério, a leitura da pele de galinha, qual Áugure. 

Perdemo-los sempre à frente dos piores.

 

Poema, A Noite, de José Mário Branco. 

Em tudo o que já fomos está o que seremos. 
No fundo desta noite tocam-se os extremos, 
E se soubermos ver nos sonhos o processo,
Os passos para trás não são um retrocesso. 
A noite é um sinal de tudo quanto fomos. 
Dos medos, dos mistérios, das fadas e dos gnomos, 
Da ignorância pura e da ciência irmã, 
Em que, sendo passado, já somos amanhã. 
A noite é o espaço vago, o tempo sem história, 
Em que as perguntas nascem dentro da memória. 
Em tudo o que já fomos está o que seremos. 
Mas cabe perguntar : foi isto que quisémos ?
Em tudo o que já fomos está o que deixamos.
No fundo das marés, nos portos que tocamos.
O rumo desvendado, o preço da bagagem,
É tudo quanto resta para seguir viagem.
A noite é parideira da contradição,
Que existe em cada sim que nos parece não.
Olhando para nós, os grandes dissidentes,
No meio da luta, entre lemes e correntes,
Será esta viagem feita pelo vento,
Será feita por nós, em amor e pensamento?
O sonho é sempre sonho se nos enganamos,
Mas cabe perguntar : como é que aqui chegámos ?

Em tudo o que já fomos estão os nossos mortos.
E os vivos que ficaram entram nos seus corpos
Na noite do amor, na noite do sinal,
Naufrágio de fantasmas na pia baptismal.
A noite é o impreciso e escuro purgatório,
Que alinha as nossas almas no seu dormitório.
A culpa dos heróis é serem sempre poucos.
Acaso somos mais, ou tão somente loucos?
Temos que descasar a culpa e o prazer,
No que fizemos ou deixamos de fazer,
Para reconstruir os corações cativos.
Mas cabe perguntar : acaso estamos vivos ?
Em tudo o que já fomos há um sonho antigo,
Conversa universal de cada um consigo.
São sombras e brinquedos, tudo misturado,
E o vago sentimento de nascer culpado.
Será um sonho absurdo, este olhar p'ra dentro,
E o nosso destino, só, servir de exemplo?
Andamos a fugir à frente desta vida,
Mas cabe perguntar : existe uma saída?"

 

Post Scriptum,

Tenham medo, muito medo! É Poeta, o Maior do mal-dito que, de pé, há de esperar à esquerda dum deus de Dós menores.

"Música de Intervenção", mais o camandro, dizem-me ser a dele. Eu disso" no comprendo nada", mas desconfio que é por, a dele, dar corda ao pensamento. 

Ars Major V

De mim, mais nada, até entrar num prazo de validade. Entrementes que vejam, ouçam, sintam, e bebam as horas superlativas. Desejo-vos boas borracheiras!

Atentamente,

V.V

Ars V, Aspera Hiems Symfonia.

 

Para a Psicologia do Artista.


Para que haja arte, para que haja alguma acção e contemplação estéticas, torna-se indispensável uma condição fisiológica prévia: a embriaguez. A embriaguez tem de intensificar primeiro a excitabilidade da máquina inteira: antes disto não acontece arte alguma. Todos os tipos de embriaguez, por muito diferentes que sejam os seus condicionamentos, têm a força de conseguir isto: sobretudo a embriaguez da excitação sexual, que é a forma mais antiga e originária de embriaguez. Também a embriaguez que se segue a todos os grandes apetites, a todos os afectos fortes; a embriaguez da festa, da rivalidade, do feito temerário, da vitória, de todo o movimento extremo; a embriaguez da crueldade; a embriaguez da destruição; a embriaguez resultante de certos influxos meteorológicos, por exemplo a embriaguez primaveril; ou a devida ao influxo dos narcóticos; por fim, a embriaguez da vontade, a embriaguez de uma vontade sobrecarregada e dilatada. — O essencial na embriaguez é o sentimento de plenitude e de intensificação das forças. Deste sentimento fazemos partícipes as coisas, contragemo-las a que participem de nós, violentamo-las, — idealizar é o nome que se dá a esse processo. Libertemo-nos aqui de um preconceito: o idealizar não consiste, como se crê comummente, num subtrair ou diminuir o pequeno, o acessório. Um enorme extrair os traços principais é, isso sim, o decisivo, de tal modo que os outros desapareçam ante eles.

Friedrich Nietzsche, in "Crepúsculo dos Ídolos"

É necessária alguma embriaguez para resistir às vertigens das grandes contemplações.

Vorph Valknut, in "Blogue de Alterne"

O Livro dos Três Princípios - Quem Somos - I parte

21599644_42ga1.jpeg

Meus Queridos Pais,

     Vou aproveitar a tal história sobre Ana Paula, a vossa cara e coroa da liberdade, para dar uma pincelada sobre os últimos cinquenta anos. Crítica. Interessa-me o carácter das pessoas e o que vi. São coisas pequenas, que ficaram por dizer e fazem toda a diferença.

Sim, sei. Cada qual vê o mundo como vê e há guerras que não devemos comprar. Mas vou comprar. Corro riscos. Exponho-me ao ridículo. Faço o que pode ser considerado medíocre tratado de menoridades e moralidades. Longe de liberdades fingidas e do humor doutrinal; longe da cartilha do nosso tempo. Sem sofisticação. Nada recomendável, portanto. Escrevo do lado de fora; o da liberdade, propriamente dita. Sem pedir consentimento, despejo um chorrilho de considerações sobre miudezas que não move o curso do tempo nem comove quem se interessa pelo destino do mundo e pelas grandes questões da humanidade. Disparo conclusões em vez de perguntas. Crio uma mancha de tinta cheia de imperfeições, e um elenco de personagens que não despegam de imputações escusadas e ilações contestáveis. Sem cunho literário e os seus tiques. Sem as longas descrições sobre a beleza da paisagem, a fealdade da sala, da parede. Sem a subtileza de saber dizer sem dizer. Pouco no livro se intui. Digo, escrevo. É cru. Não será belo, não será arte, mas é o que preciso dizer, agora. Exponho-me por pouco, é verdade.

Pela liberdade, nada a fazer. Vivo-a sem remorsos em vez de a pregar. Já a arte me deixa a mágoa de não ser capaz. Aspiro a dias melhores e faço a tentativa de romance ou novela com a matéria-prima à minha mão, e por mais trivial que seja não posso nem quero ignorar. Poderá ser falhada, por falta de sabedoria em libertar as personagens, mas será acabada. Desta vez, chegarei ao fim. Garanto.

    Beijo

       Margarida

(continua)

______

De Isabel Paulos, do blogue, Comezinhas

 

 

Ars Major

De mim, mais nada, até entrar num prazo de validade. Entrementes que vejam, ouçam, sintam, e bebam as horas superlativas. Desejo-vos boas borracheiras!

Atentamente,
V.V

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D