Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

06.08.20

Oxitocina, uma nova abordagem terapêutica para o Autismo.


Vorph "ги́ря" Valknut

1495283.jpeg

(A vermelho, oxitocina nos neurónios no cérebro de um ratinho - No Jornal Público de hoje).

A propósito do Post de ontem sobre o Sistema Dopaminérgico:

"Nos ratinhos, a equipa observou que há uma ligação entre um gene que contribui para a probabilidade de se ter autismo (o Nlgn3) e a via de sinalização da oxitocina. A hormona oxitocina regula o comportamento social nos mamíferos, em particular as interacções sociais, e é mesmo conhecida como a “hormona do amor”. Aquilo que acontece é que a mutação no tal gene desestabiliza a via de sinalização da oxitocina nos neurónios do cérebro de ratinhos. Consequentemente, isso irá reduzir as interacções sociais entre os ratinhos. De acordo com a equipa, é a primeira vez que se detectou esta ligação."

A Oxitocina para além de estar associada à descida do leite nas lactantes e da contracção uterina aquando do parto, é responsável pela ligação afectiva entre mãe e filho (fêmeas com genes anormais para a oxitocina ou para os seus receptores celulares apresentam fraca relação emocional com a descendência).

A Oxitocina e a Vasopresina aumentam também a sociabilidade e a empatia (capacidade de nos pormos no lugar do outro).