Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

09.06.20

O prazer sem propósito.


Vorph "ги́ря" Valknut

site-mt-aguia-asa-redonda_mg_8413-copy.jpg

Sabemos como o Homem tem uma tendência inata para criar padrões, seus conhecidos, nas coisas novas que vai vendo ou descobrindo. É desta forma que o Homem torna familiar o desconhecido. É assim que espanta o medo. Num conjunto de blocos de granito, postos ao acaso, pelas forças sem propósito da natureza, tende a ver nelas caras, suas conhecidas. E faz o mesmo com as nuvens sopradas pelo capricho do vento. Ora barquinhos, animais, formas humanas, ora castelos... 

Mas a esta tendência que nos é tão natural, involuntária, como o respirar, associa-se uma outra. A de arranjarmos um propósito concreto, materialista, lógico nessas ou noutras coisas que vamos vendo, pensando. Por exemplo, ontem, quando andava lá em cima, na montanha, vi uma ave de rapina, num voo circular. Pensei "Decerto está a ver uma cobra, um ratito"....Ao descobrir essa tal tendência, em mim, ri-me e disse: "Na volta voa assim apenas pelo prazer que lha dá um voar sem sentido".

10 comentários

Comentar post