Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

20.09.20

A Ditadura da Felicidade


Vorph "ги́ря" Valknut

500x.jpeg

SINOPSE

A indústria da felicidade, que movimenta milhões de euros, garante transformar os indivíduos em pessoas capazes de dominarem os seus sentimentos negativos, e de tirarem o melhor partido de si próprias por meio do controlo completo dos desejos improdutivos e dos pensamentos derrotistas.

 

Porém, não estaremos perante um novo ardil que visa convencer-nos, uma vez mais, de que a riqueza e a pobreza, o êxito e o falhanço, a saúde e a doença são única e exclusivamente da nossa responsabilidade? E se o propósito da chamada «ciência da felicidade» for a criação de um modelo social individualista que renega qualquer ideia de comunidade?

 

CRÍTICAS DE IMPRENSA

«Eva Illouz e Edgar Cabanas atacam sem contemplações a ditadura da felicidade. Um livro esclarecedor, importante e urgente para compreender a ascensão de uma ideologia difundida no mundo e que está ao serviço dos poderes instituídos.»

Marie Lemonnier, L'Obs

 

«No seu livro mais recente, os autores denunciam a imposição que nos é feita de sermos felizes. Esta ideologia, de que a psicologia positiva é o braço armado, tem um único objetivo: culpabilizar os indivíduos e exaltar o neoliberalismo. Uma vez mais, os autores querem “pôr a sociologia no local onde domina a psicologia”.»

Virginie Bloch-Lainé, Libération

 

«Uma crítica justa à tirania de um modelo de felicidade artificial, privado de qualquer contexto social.»

Jean-Marie Durand, Les Inrocks