Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

16.12.18

...


Vorph "ги́ря" Valknut

Sobre a importância do Pensar. Da Filosofia - Pt2


20 de Fevereiro de 2017
Dedicado ao G., à M. e à Cl, por causa da nossa conversa ao jantar? Ou foi durante o almoço?

 

A valoração (boa/má; útil/inútil) de uma coisa é em menor, ou maior grau, dependente quer da existência do seu contrário, quer da quantidade existente daquela (lei dos mercados).
Imaginemos um mundo sem noite. Sem escuridão. A luz e o dia existiriam, contudo a importância que lhe daríamos seria diferente, quero crer, daquela que neste nosso mundo damos à luz/dia. Imaginemos um mundo onde não houvesse inimizade. Quero crer que o valor que atribuiríamos à amizade, nesse mundo imaginado, seria bem diferente daquele que atribuímos à amizade neste nosso mundo. E assim com a doença/saúde. E assim com o amor. Se não houvesse desamor o que sentiríamos quando encontrássemos o nosso amor? E assim com a própria vida. Se fôssemos eternos a vida teria algum valor?

Desta forma os mundos melhores que por vezes imaginamos são alicerçados sempre no valor que atribuímos às coisas existentes neste nosso mundo. O paradoxal é que se vivêssemos nesse tal mundo perfeito, imaginado, essas mesmas qualidades, definidoras dessa perfeição, teriam um valor diferente/menor do atribuído quando, a partir do nosso mundo real, o imaginámos.

Resultando daqui, que vivendo nesse mundo perfeito acharíamos, com o passar do tempo, também a imperfeição/insatisfação (o mais pequeno bem desse mundo perfeito, transformar-se-ia no seu novo mal).

A única saída deste paradoxo lógico, é que vivendo nesse mundo perfeito conservássemos a memória do mundo em que hoje vivemos. Contudo seguindo esta linha argumentativa e não existindo outros mundos conhecidos, seria mais lógico, aos cépticos, começarem por perguntarem:

- Porque não é o Mundo pior, do que é?

Em vez de:

- Porque o Mundo é mau? (mas mau comparado com que mundo?)

(cont)