Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

22.06.20

A Depressão não depende da vontade ou de uma força interior.


Vorph "ги́ря" Valknut

depressão_719342902.jpg

A Depressão é uma doença. E como qualquer doença tem causas multifactoriais. Desde o desequilíbrio bioquímico entre certos neurotransmissores (serotonina, noradrenalina, dopamina), uma fraca afinidade celular entre aqueles e os seus receptores neuronais, até experiências traumáticas, estas últimas causadoras de Depressões ditas reactivas. Depois existem ainda outras, como o Transtorno Bipolar (euforia intercalada com desespero). 

A Depressão prolongada provoca, com a passagem do tempo, alterações cerebrais, sendo a perda de memória um dos primeiros sinais (alterações no Hipocampo). A Depressão crónica aumenta, ainda, o risco de doenças neurológicas degenerativas como o Alzheimer.

A Depressão é uma doença "macaca", porque enquanto as outras não nos impedem de sentir momentos de prazer, de alegria (a tal recalibração mental de prioridades, provocada pelos ensinamentos da doença grave), a Depressão caracteriza-se por Anedonia.

Não há analgésicos para o sofrimento mental como os há para a dor física. Não há medicação eficaz (os antidepressivos também eles provocam alterações neuronais).

Enfim, a Depressão é o Diabo feito doença.

Quanto à famigerada culpa da Depressão, do doente, ela será idêntica à do doente oncológico, ou do engripado. Ou seja, nenhuma. A Depressão não depende da vontade ou de uma força interior. Aliás, a pior coisa que se pode dizer, a um doente com depressão, é acusá-lo, fazê-lo acreditar, que a sua doença resulta de carência de vontade, de fraqueza de ânimo. Sofrerá assim duplamente, pela doença e pelo convencimento da sua culpa. Tive Depressão. O meu pai e o meu avô também.

18.06.20

I don't need your civil war, it feeds the rich while it buries the poor


Vorph "ги́ря" Valknut

Look at your young men fighting

Look at your women crying

Look at your young men dying

The way they've always done before

Look at the hate we're breeding

Look at the fear we're feeding

Look at the lives we're leading

The way we've always done before

My hands are tied

The billions shift from side to side

And the wars go on with brainwashed pride

For the love of God and our human rights

And all these things are swept aside

By bloody hands time can't deny

And are washed away by your genocide

And history hides the lies of our civil wars

D'you wear a black armband

When they shot the man

Who said "peace could last forever"

And in my first memories

They shot Kennedy

I went numb when I learned to see

So I never fell for Vietnam

We got the wall of D.C. to remind us all

That you can't trust freedom

When it's not in your hands

When everybody's fightin'

For their promised land

And

I don't need your civil war

It feeds the rich while it buries the poor

Your power hungry sellin' soldiers

In a human grocery store

Ain't that fresh

I don't need your civil war

Ow, oh no, no, no, no, no

Look at the shoes you're filling

Look at the blood we're spilling

Look at the world we're killing

The way we've always done before

Look in the doubt we've wallowed

Look at the leaders we've followed

Look at the lies we've swallowed

And I don't want to hear no more

My hands are tied

For all I've seen has changed my mind

But still the wars go on as the years go by

With no love of God or human rights

'Cause all these dreams are swept aside

By bloody hands of the hypnotized

Who carry the cross of homicide

And history bears the scars of our civil wars

I don't need your civil war

It feeds the rich while it buries the poor

Your power hungry sellin' soldiers

In a human grocery store

Ain't that fresh

I don't need your civil war

No, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no

I don't need your civil war

I don't need your civil war

Your power hungry sellin' soldiers

In a human grocery store

Ain't that fresh

I don't need your civil war

No, no, no, no, no, no, no, no, no uh-oh-uh, no uh-oh, uh no

I don't need one more war

I don't need one more war

No, no, no, no uh-oh-uh, no uh-oh, uh no

Whaz so civil 'bout war anyway?

16.06.20

"Dá-me as mãos por brincadeira, na dança que não dançamos"


Vorph "ги́ря" Valknut

Dá-me as mãos por brincadeira

 

Na dança que não dançamos,

 

Porque isso é uma maneira

 

De dizer o que pensamos.

 

Dá-me as mãos e sorri alto,

 

A vigiar o que rio,

 

Bem sabes que assim já falto

 

A pensar coisas a fio.

 

Não quero largar as mãos

 

Assim dadas por brinquedo.

 

Deixa-as ficar: há irmãos

 

Que brincam assim a medo.

 

Não largues, ou faz demora

 

A arrastar, a demorar,

 

As mãos pelas minhas fora,

 

E já deixando de olhar.

 

Que segredos num contacto!

 

Que coisas diz quem não fala!

 

Que boa vista a do tacto

 

Quando a vista desiguala!

 

Deixa os dedos, deixa os dedos,

 

Deixa-os ainda dizer

 

Aqueles dos teus segredos

 

Que não podes prometer!

 

Deixa-me os dedos e a vida!

 

Os outros dançam no chão,

 

E eu tenho a alma esquecida

 

Dentro do teu coração.

 

Todo o teu corpo está dado

 

Nas tuas mãos que retenho.

 

Mais vale ter enganado

 

Do que ter porque não tenho.

 

28-10-1930

Pessoa Inédito. Fernando Pessoa. (Orientação, coordenação e prefácio de Teresa Rita Lopes). Lisboa: Livros Horizonte, 1993. - 8.

16.06.20

Se a Ciência é uma contínua reconstrução do Conhecimento Passado, porque diabos a História há de ficar para trás?


Vorph "ги́ря" Valknut

Clio-Mignard.jpg

(Na imagem, Clio)

Dizem-nos que não podemos julgar, moralmente, o Passado, nas suas dinâmicas culturais mais gerais, porque as modas e os modelos eram outros. Julgo que tal argumentação é um tanto ou quanto falaciosa, porque se assim fosse, tradições antigas continuariam presentes, e determinados ensinamentos, continuariam a ser aprendidos. O aperfeiçoamento moral do Homem, mas não só, consiste em usar a verdade do Presente, com o propósito de não ser o Futuro imitação do Passado. A esta dialéctica deu-se o nome de Progresso.

Se a Ciência é uma contínua reconstrução do Conhecimento Passado, porque diabos a História há de ficar para trás? 

Dir-me-ão, a Bem da Nação? Sim, o Bem da Nação faz-se, frequentemente, sacrificando a Verdade. 

15.06.20

À Arte o que é da arte. À Política o que é da política.


Vorph "ги́ря" Valknut

Devemos avaliar a Estatuária, a Escultura, pelo que vale esteticamente ou pelo que representa politicamente, historicamente? Devemos ver nas Estátuas, nas Esculturas, a celebração de um feito, concreto, ou uma homenagem completa à vida inteira do esculpido?

Para bem de todos julgo que é melhor avaliarmos a Arte através da beleza das formas e do engenho do artífice. A tal Arte, pela Arte. Para bem da Arte deveremos deixar a Política e a Religião do lado de fora.