Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

Blogue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

...

crowley.jpg

 

Não há coincidências. O que há são aparências. E há pretextos que antecedem contextos...e sim, gosto de charadas.

 

O Presidente da Entidade Reguladora da Agua e dos Resíduos apresentou queixa ao Ministério Público esta semana, por suspeitas graves de favorecimento do governo ao grupo económico liderado por António Mota - a Mota-Engil. A reportagem do Sexta às 9.

 

A Entidade Reguladora dos Serviços de Água e Resíduos (ERSAR) vai ser alvo de uma auditoria da Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT), que vai analisar todos os contratos de prestação de serviços efetuados entre 2017 e 2018

As 50 Sombras de Rio (pt II)

"Chefe", meia dose de jornalismo, fá favor!!

 

assassination-of-julius-caesar-spanish-school.jpg

 

Blogues políticos. cidadania ou caciquismo?

Os blogues servem mais a sociedade civil como pilar ou a sociedade política como ponte? Há casos diferentes numa história que já ultrapassa a década.

 

Excerto, do artigo de Sebastião Bugalho, no Jornal, Sol (18 de Novembro de 2016)

A ENTREVISTA (a Fernando Moreira de Sá)...


As reações incluíram críticas e desmentidos. Moreira de Sá enumerou vários bloggers, alguns deles seus amigos. Rezou assim: «Álvaro Santos Pereira, do Desmitos, foi para ministro da Economia; Carlos Sá Carneiro entrou para adjunto do primeiro-ministro; Pedro Correia foi para o gabinete do Relvas; Luís Naves também, mais tarde; João Villalobos para a secretaria de Estado da Cultura; Carlos Abreu Amorim para deputado e vice-presidente do grupo parlamentar; António Figueira, do Cinco Dias, e de esquerda, foi trabalhar com o Relvas; Francisco Almeida Leite para o Instituto Camões; Vasco Campilho foi para algo ligado aos Negócios Estrangeiros; José Aguiar para o AICEP; Pedro Froufe para a comissão de extinção das freguesias; o CDS também recrutou no 31 da Armada. Houve outros. Só em ministros, secretários de Estado e assessores foi uma razia em blogues como o Albergue Espanhol, o 31 da Armada, Delito de Opinião, O Insurgente, o Blasfémias, etc.».

 

 

...

"Precisamos de uma lufada de ar fresco." Relvas quer diretas no PSD
Em reação aos resultados eleitorais, o antigo dirigente social-democrata garante que o partido precisa de uma "nova liderança, novos protagonistas e novas políticas" para voltar a ser alternativa.

 

Antes, diria precisarmos de um tornado que desopile esta gente, toda, dos nossos fígados.

 

P.S: Quanto ao PS é melhor nem falar.

As 50 Sombras de Rio

   "Chefe", meia dose de jornalismo, fá favor!!

 

the-death-of-julius-caesar-vincenzo-camuccini.jpg

(O Assassinato de Julio César, de  Vincenzo Camuccini, 1798)

 

Excerto da Entrevista, a Fernando Moreira de Sá, dada a Ana Rita Moutinho, do Jornal Universitário do Curso Ciências da Comunicação do ISMAI (Janeiro, 2018).
https://agora.ismai.pt/fernando-moreira-de-sa-dos-bastidores-da-politica-ao-protagonismo-no-espaco-mediatico/

 

visao.jpg

Foto: Lucília Monteiro, Visão.

 

Entrevista a Fernando Moreira de Sá, publicada na Visão, a 21 de Novembro de 2013.

 

Esta é a história digital dos bastidores da chegada de Passos Coelho ao poder e da queda do Governo na rede. Onde se fala de manipulação de fóruns das rádios e TV´s, de condicionamento de debates e se revela como Relvas tentou evitar o pior em reuniões com blogueres, na Presidência do Conselho de Ministros...

Esta é a história digital dos bastidores da chegada de Passos Coelho ao poder e da queda do Governo na rede. Onde se fala de manipulação de fóruns das rádios e TV´s, de condicionamento de debates e se revela como Relvas tentou evitar o pior em reuniões com blogueres, na Presidência do Conselho de Ministros...


O ponto de partida é a sua tese de mestrado, nota 20, na Universidade de Vigo (Galiza) sobre a importância da comunicação política digital na chegada de Pedro Passos Coelho à liderança do PSD. Consultor de comunicação, Fernando Moreira de Sá, 40 anos, regionalista ferrenho, foi um dos "voluntários" que, nos bastidores, trabalhou a caminhada política do atual primeiro-ministro na blogosfera e nas redes sociais, estratégia efetuada com recurso a informação privilegiada e campanhas negras contra adversários. Rosto das empresas Comunicatessen e da Callaecia, parceiro da Nextpower (a que estão ligados Rodrigo Moita de Deus, actualmente paineleiro no programa, da RTP, O Último Apaga a Luz), da Comissão Política Nacional do PSD, e João Paixão Martins, filho de Luís Paixão Martins, da LPM), Moreira de Sá vai mais longe e desvenda alguns segredos do caminho que levou Passos Coelho ao Governo... e as razões pelas quais o estado de graça da maioria nunca chegou a existir no Portugal digital.


A comunicação digital foi decisiva, na ascensão de Pedro Passos Coelho?


Em 2009, o PSD era o mais digital dos partidos. Nessa época, os blogues estavam no auge, o Twitter já tinha alguma força e o Facebook engordava. Os principais blogues de política tinham uma audiência média diária de 30 mil pessoas. Blogueres como Carlos Abreu Amorim ou Daniel Oliveira tinham saltado para as televisões e o PS e o PSD começaram a credenciar blogueres para os congressos. Tudo estava maduro para se fazer o que se fez. Nos jantares de blogueres que Passos promoveu na campanha interna, dizia-se que tudo o que viesse acima de 40% a 45% de votos era devido à malta dos blogues. Ele teve 60 por cento.


Afirma, na tese que os blogueres que apoiavam Passos tinham como referência o blogue Corporações, próximo do Governo Sócrates... Porquê?


O Corporações, que só peca pelo anonimato, era o braço armado de Sócrates, na blogosfera.
Tinha acesso a fontes privilegiadas e informações do foro privado dos adversários.
Só podia funcionar dentro do gabinete da Presidência do Conselho de Ministros...
Ligado ao ex-ministro Pedro Silva Pereira?


Toda a gente do meio sabia. Aliás, costumávamos dizer que o Corporações "viajava" com o Sócrates e o Pedro Silva Pereira para a Venezuela porque os posts diminuíam radicalmente nessa altura...
Mas em que medida foi inspirador para a estratégia de Passos Coelho?
Ajudou a derreter Manuela Ferreira Leite, então líder do PSD, e a Presidência da República. Queríamos algo idêntico para a luta interna no PSD.


Quem definiu essa estratégia?


Não posso provar, mas desconfio que o mentor foi Miguel Relvas e tiro-lhe o chapéu. Mas ao contrário do Corporações, não éramos anónimos. O António Nogueira Leite, o Carlos Abreu Amorim, o Rodrigo Saraiva, o João Villalobos, o Fernando Moreira de Sá, etc., assumiam as suas opiniões.


Havia um núcleo duro em Lisboa e outro mais voluntário no Porto?


Sim, mas isso já muito mais próximo das eleições diretas no PSD. O pré-diretas é a criação do blogue Albergue Espanhol. O braço armado de Passos Coelho na blogosfera...Braço armado, mas de cabeça descoberta. Pedro Correia (coordenador principal do Blogue Delito de Opinião), Luís Naves (colaborador do referido Blogue)Francisco Almeida Leite eram jornalistas no ativo. O António Nogueira Leite era administrador de um grande grupo com interesses no Estado e também estava ali a dar a cara. Eu próprio receei perder clientes e ser considerado persona non grata pelo Governo Sócrates. O Rodrigo Saraiva e o João Villalobos, consultores de comunicação, pensaram o mesmo. Mas ao contrário do que diz o Pacheco Pereira, ninguém andou atrás de avenças do Estado. Pelo contrário: até perdi um cliente por causa deste Governo.


Como é que entrou nisto?


Fui convidado para o primeiro jantar de blogueres. O Passos fazia uma coisa sem rede, sem assessores, sem papéis. Respondia a todas as perguntas, inclusive as mais complicadas, vindas do Paulo Guinote, do blogue A Educação do Meu Umbigo ou da Ana Matos Pires, do Jugular, sobre questões fraturantes da esquerda. Eu e outros aderimos, porque acreditávamos. Mas o Pacheco Pereira tem razão numa coisa: fomos o braço armado para, dentro do PSD, e através do digital, desgastar Manuela Ferreira Leite e os adversários do Passos. Até fizemos de bombeiros do Aguiar Branco. Queríamos que ele fosse até ao fim...


Albergue, estratégia digital, projeto político. Como funcionava, no dia-a-dia?


Por exemplo: existia um mail acessível a um grupo fechado, através do qual recebíamos informações, linhas gerais, provenientes de quem estava a preparar o programa do Passos. No início, nem sabíamos quantos éramos. Cada um desenvolvia aquilo, nas redes sociais e na blogosfera, à sua maneira. Utilizávamos isso no Fórum da TSF, no Parlamento Global, da SIC, no Twitter, etc. No último confronto televisivo entre os três candidatos à liderança [Passos, Aguiar Branco e Rangel], condicionámos o debate. Só eu tinha três computadores à minha frente, em casa, além do telemóvel. Antes do debate, já tínhamos tweets preparados para complicar a vida ao Rangel. Nos primeiros minutos, começámos a "tuitar" como se não houvesse amanhã, dizendo que o Rangel estava nervoso e mais fraco do que o esperado. Criou-se um ambiente negativo que se propagou rapidamente. Ao fim de cinco minutos, ríamos até às lágrimas! Até opinion makers repetiam o que dizíamos! E o debate tinha apenas começado...


Como se "vendeu" Passos ao PSD?


Nas diretas, o universo era de 60 mil militantes, muitos deles difíceis de convencer. Mas compraram a ideia de que o Passos era o único capaz de ganhar a Sócrates. A equipa do Sócrates ajudou, sem querer: batiam no Rangel e ignoravam o Passos, que também ia ganhando pontos ao abordar questões fraturantes da esquerda. Num jantar de blogueres, quiseram saber a opinião dele sobre a adoção de crianças por casais homossexuais. "Se os interesses da criança estiverem mais defendidos com um casal homossexual, sou a favor." Ao dizer isso, ele abriu uma janela importante na blogosfera de esquerda. O próprio eleitorado do PSD percebeu que não eram só os "da corda" a defendê-lo: até os adversários o respeitavam. À esquerda convenceram-se de que ele representava a direita tolerante.

Conquistado o PSD, o que seguiu?


As coisas melhoraram. O leque de blogueres foi alargado. Nas diretas, tinha havido um call center, que quase todos os partidos usam, para telefonar aos militantes, em Lisboa. Para as legislativas, foi no Porto. Nessa altura, o Nogueira Leite torna-se muito influente no Facebook e o Carlos Abreu Amorim no Twitter. Havia voluntários a defender as posições do Passos, mas sobretudo a atacar o Governo PS, no Fórum da TSF, na Antena Aberta, da RDP, e nos debates dos canais por cabo. Alargou-se a influência mediática. Os outros partidos também fazem isto. E bem.


O mail "fechado" manteve-se?


Sim. Com mais força e mais filet-mignon informativo.


Quem fazia chegar essas informações?


Não vou dizer. Essa pessoa também não diz quem lhe fazia chegar a ela. Mas não sou parvo: por trás disto tinha de estar Miguel Relvas, um visionário quanto à importância das redes sociais para levar o Passos aonde chegou. Não éramos anjinhos. Sabíamos bem ao que íamos.
Como se trabalhou a campanha contra Sócrates?


A contrainformação era a praia do grupo à volta de Sócrates. Tínhamos nick names para as redes sociais, perfis falsos no Facebook e por aí adiante, mas éramos uns meninos do coro comparados com os tipos dele. Não há virgens nisto: em qualquer campanha eleitoral, existem centenas de perfis falsos, mas perfis com "vida", que incluem fotografias de "família", "clube de futebol", "gostos", etc. O segredo é ir pedindo "amizade" a pessoas da política e alargar os círculos de "amigos". Se deixarmos uma informação sobre o caso Freeport num perfil falso e ele for sendo partilhado, daqui a pouco já estão pessoas reais a fazer daquilo uma coisa do outro mundo.


Os fóruns da rádio e da televisão são facilmente manipuláveis?


Completamente. Se for preciso, provo. Existem equipas só para isso, nos partidos e nas consultoras de comunicação que fazem assessoria política. As juventudes partidárias são uma boa base de recrutamento. Em 2011, o Sócrates foi ao Fórum da TSF. Decidimos entalá-lo e descredibilizar a coisa, exagerando nos elogios. Deu um bruaá enorme. O diretor da TSF teve de explicar-se por causa das críticas dos ouvintes, que consideraram aquilo uma coisa do tipo Deus no céu e Sócrates na terra. Deu-nos um gozo tremendo!


E o jornalismo? Também está mais permeável?


Os jornalistas agem nas redes sociais sem se protegerem, esquecendo que aquilo é também uma ferramenta de trabalho. Mas há outro problema para vocês: quando as redações são vítimas da concentração mediática, da situação económica e de licenciaturas arcaicas na área do digital, é óbvio que, perante este mundo novo e perigosíssimo, o jornalismo está mais manipulável. E Portugal é um caldinho jeitoso para isto: há cerca de cinco milhões de pessoas no Facebook.
O que aconteceu quando o PSD ganhou as legislativas?


Primeiro, acabou o Albergue Espanhol e foi criado o Forte Apache. Sabíamos que o ambiente ia ser hostil, mas nunca imaginámos que fosse tão hostil nas redes sociais. Aí, o estado de graça do primeiro-ministro quase não existiu. Como os blogueres tinham sido muito importantes para a chegada ao poder, chamaram alguns para o Governo e suas imediações. Foi um erro.
Nomes?


Álvaro Santos Pereira, do Desmitos, foi para ministro da Economia; Carlos Sá Carneiro entrou para adjunto do primeiro-ministro; Pedro Correia foi para o gabinete do Relvas; Luís Naves também, mais tarde; João Villalobos para a secretaria de Estado da Cultura; Carlos Abreu Amorim para deputado e vice-presidente do grupo parlamentar; António Figueira, do Cinco Dias, e de esquerda, foi trabalhar com o Relvas; Francisco Almeida Leite para o Instituto Camões; Vasco Campilho foi para algo ligado aos Negócios Estrangeiros; José Aguiar para o AICEP; Pedro Froufe para a comissão de extinção das freguesias; o CDS também recrutou no 31 da Armada. Houve outros. Só em ministros, secretários de Estado e assessores foi uma razia em blogues como o Albergue Espanhol, o 31 da Armada, Delito de Opinião, O Insurgente, o Blasfémias, etc. Apenas o Aventar ficou imune. Ora, quando o Governo começou a levar porrada nas redes sociais, só tinha o Forte Apache para o defender. Às primeiras medidas duras, a página de Passos no Facebook foi invadida por críticas e insultos. Um desastre. No fundo, Passos foi responsável pelo auge da política no digital, mas também pela sua queda.


O "cérebro" Relvas não tentou atenuar danos?


Sim, ainda fui a um encontro de blogueres "da corda", na Presidência do Conselho de Ministros. O ministro ouviu das boas, batemos desalmadamente na estratégia de comunicação do Governo! Dissemos que o primeiro-ministro era bom a dar as más notícias e péssimo a dar as boas. Mas continuava a haver um grupo disponível, ainda que amputado, para adoçar as medidas más, nas redes sociais e nos blogues, desde que a informação fosse enviada com antecedência. Com o Relvas, ainda foi chegando alguma coisa, às vezes 24 horas antes, mas depois nunca mais isso foi feito. Com a saída dele, a estratégia, que já era má, desmoronou-se. Depois, fomos sabendo que a gestão interna da informação dentro do Governo também não era fácil.


Porquê?


Não se pode ter uma estratégia de comunicação do gabinete do primeiro-ministro, outra da Presidência do Conselho de Ministros e outra ainda do gabinete de Portas, que é o oposto das duas. Não se podem ter responsáveis de comunicação de cada área em guerra. Não funciona, como está à vista. Para cúmulo, o primeiro-ministro parece imbuído de uma missão especial qualquer e diz "que se lixem as eleições".


Passos descuidou a estratégia de comunicação?


A estratégia de comunicação não existe. Enquanto lá esteve, Relvas ainda foi o bombeiro, mas quando vi os briefings ia morrendo. Pacheco Pereira diz que as grandes consultoras de comunicação estão no Governo. A Cunha Vaz e a LPM estão onde?! Estão em empresas públicas? Ah! Isso é outra coisa. Se estivessem no Governo, notava-se.


A imagem do Governo ainda é recuperável?


É muito difícil, mas com este PS, ainda acredito. Mas era preciso e ele que me desculpe fazer uma lavagem ao cérebro do primeiro-ministro sobre a estratégia de comunicação. Nisso, o CDS é muito melhor.

 

Link da entrevista:

http://visao.sapo.pt/actualidade/portugal/ascensao-e-queda-de-passos-versao-20=f758352

 

Adenda : após publicação do postal, li, sobre este tema e decerto por coincidência, de Pedro Correia, via Delito de Opinião, o seguinte comentário:

"Indignado fico eu quando alguns, com ar de quem acaba de descobrir a pólvora, papagueiam agora conteúdos difamatórios e injuriosos que há vários anos foram desmentidos em toda a linha, de forma categórica, na sede própria.
Caso seja necessário, a sede própria voltará a impor-se perante novos arautos de velhas calúnias. Usem nome ou pseudónimo."

A bem da verdade, muito esclarecedor. Espero, no entretanto, ter acesso, conforme pedido ao visado, a qualquer notícia, informação, ou sentença, transitada em julgado, que desminta as afirmações proferidas, não por mim, mas por Fernando Moreira de Sá.

 

 

 

...

 

A linguagem traduzindo conhecimento, e sendo o Conhecimento um elemento de Poder, a sua complexidade pode não traduzir, obrigatoriamente, uma complexidade de conhecimento, mas apenas uma tentativa, uma técnica, uma táctica, para limitar o acesso da gente que não sabe, ao saber.

 

De onde virão as regras idiomáticas, enigmáticas, se a palavra não existe? A palavra nasceu como um fato do facto, tendo, ironicamente, na sua subjectividade, amadurecido, pela decomposição da objectividade do real. E mascarando- o, complexificando-se, esconde cada vez mais o que pretendia revelar.

E se a evolução da língua tivesse como factor selectivo, a mentira, a ocultação da verdade? Falaríamos "melhor" , mais elaboradamente, com o propósito, único, de convencer, doutrinar, mentir. O uso da linguagem seria mais um, de tantos instrumentos políticos (ao serviço do Poder) e não o veículo, inicial, da verdade, do conhecimento natural, objectivo.

Complexificar para baralhar, para humilhar, para estratificar, criando novas pirâmides de saber ("não se escreve assim, mas assado!!" - eis o Linguista, o Filólogo, que a si e assim arranja o seu lugar, numa importância de nadas ).

Falam-nos de ablativos absolutos?! Ai, como eu gostava que a linguagem fosse apenas fraternização e não trabalho pesado. Mas que esperar, se até do nada vemos o infinito?
Desconfio que as ciências da língua, mais esse português ensinado, nas Escolas, tomem com mais precisão o formalismo da letra , a regra oca do significado , do que a forma correcta de escrever o pensado. Acabamos os anos de escola sempre na dúvida como bem escrever ou falar e em dívida com o bem pensar. Fá-lo-ão de propósito esses Ocultistas da Língua?

Ao mesmo tempo que nos ensinam, magistralmente, a escrever o pensamento, fazem-nos esquecer, silenciosamente, a pensar. Eis a Escola.


Terei escrito bem? Ou pensado melhor?

 

 

...

 

Ao dar importância a coisas que mais ninguém dá, um dia acabarei por não dar importância a coisa nenhuma, nem a ninguém.

 

"There's been alot of upsetting, very upsetting things that I can't allow to happen anymore. I have to be like a soldier and march away. 'Cause I'm very delicate in a lot of ways, and things get to me, and effect me... in a very adverse manner. I don't need that; don't need that. I feel now like minus something, you know, I feel faded; I don't feel like I'm all here. I think it'll come back; I hope it'll come back. There's alot of color missing, from the way I feel, and my face, and, you know, just everything. There's some kind of zest, or... life, you know, that seems to be faded temporarily, because I've been so drained, emotionally, by a number of things. That has to slowly build back up, and then it has to be kept sustatined; it cannot be allowed to be diminished."

...

 

You never close your eyes when I'm near you
You never say you know me when I'm inside you
Girl you know it's only a feeling, you know you lie and you steal
When you take my trust in your body, nothing inside you is real

You are another person when you're all alone
Nothing moves inside you, no-one holds you down
Girl you know it's only a feeling, you should never trust what you feel
When you forget your body, nothing inside you is real

 

...

Drought makes the workers dream
Muscles and fields of green
Shovel the last few crumbs
Of generosity
Open hearts, open mind, open mouth, open vein
Drain
Someday the rains will come
My blistered hands tell me
Tomorrow, tomorrow, tomorrow
Bite
Bite
Bite
Cry
I'll keep coming back
Smaller and smaller and smaller
Squash me
Smaller and smaller and smaller
Under the charity
Smaller and smaller and smaller
Under the topsoil
Smaller and smaller and smaller
Under the fingernail
Smaller and smaller and smaller
Then small becomes all becomes all...
Bite
Bite
Bite
Cry
It 's not a mirage
It's not a mirage
Trickling downward, trickling downward
It's not a mirage
Drain
Drain
Bite
Bite
BiteCry
Smaller and smaller and smaller and smaller and smaller...

...

 

Brutal interpretação de Joaquin Phoenix. O filme retrata, como as circunstâncias económicas e sociais podem tornar pessoas normais, em "monstros".

Há uma crítica, bem presente, ao sistema político e económico actual , em que uns têm tudo e muitos têm pouco mais que sonhos. Uns mornos, cheios de nadas . Outros de vingança (sobre aqueles que afirmam ser a miséria culpa dos miseráveis).

Gostei mais da componente psicológica do filme, do percurso normal, de um indivíduo, em direcção à loucura, do que da outra, política .

Outro aspecto interessante, do filme, é como a violência pode surgir de um desejo esmagador de fazer o Bem. Assim dos mais justos, sairiam (saem) os mais violentos (o que é a justiça senão o uso da violência em nome do Bem?).

(Um aparte :Claro que em determinados casos os fins justificam os meios - nunca devemos matar, excepto em nome da paz (parodoxal). O Bem e o Mal como dependentes do contexto) .

Há no final um certo desconforto, no espectador, ao perceber que todos nós, sobre determinadas circunstâncias poderíamos ser o Joker , e por isso, por ele, acabamos por sentir certa empatia, compaixão pelo vilão.

Pergunto-me, quando o sistema está podre, corrupto, manietado, viciado pelo Poder político, as forças de segurança, de justiça, representam quem? Protegem - nos, ou são usadas pelo Estado para o protegerem do seu "Povo"? Batman, neste sentido, seria o vilão e Joker, o herói.

Uma pergunta final : Numa sociedade moldada por princípios imorais como deveremos olhar para os bem sucedidos, para os bem adaptados? Com admiração, ou repugnância?

Recomendo.

4*

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

  • A Fluidez do Tempo

    12 Novembro, 2019

     

  • 09 Novembro, 2019

      Em preparação para a subida ao Marão (1416 metros de altitude). A corrigir : 1) (...)

  • A régua da vida.

    07 Novembro, 2019

    A Morte é a medida de todas as coisas.  

  • 30 Outubro, 2019

    Vale a pena ouvir , nem que seja, apenas, para ver as "caras de parvo" dos "membros" do (...)

  • 23 Outubro, 2019

      "É frequente desencadearem-se as verdadeiras tragédias da vida de uma maneira tão pouco (...)

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D