Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

Blogue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

10 Set, 2019

atrás do que ficou

We sail through endless skies
Stars shine like eyes
The black night sighs
The moon in silver trees
Falls down in tears
Light of the night
The earth, a purple blaze
Of sapphire haze
In orbit always
While down below the trees
Bathed in cool breeze
Silver starlight breaks down the night
And so we pass on by the crimson eye
Of great god Mars
As we travel the universe

 

RIP, Darrell Dimebag, Vinnie Paul.

 

 

09 Set, 2019

...

 

"Os que querem enriquecer caem em tentação e numa armadilha, e em muitas paixões irracionais e nocivas, que mergulham as pessoas em ruína e perdição. Raiz de todos os males é o amor ao dinheiro, por causa do qual alguns, estendendo-lhe os braços, se desviaram da fé e se trespassaram a si mesmos com dores numerosas."
São Paulo, Primeira Epístola a Timóteo, 9-10

 

Epístola, paulina, enchida, nas frequentes e ardentes oportunas contradições. Diz Paulo, que o mal desponta nos que querem enriquecer, presumindo, eu, que em Todos com tal ensejo. Termina, santo padre, ressalvando que, apenas em alguns, o ominoso desejo, pelo dinheiro, os deixa cair em perdição.

Pela semiótica da carta de Paulo imagino como São Josemaría Escrivá de Balaguer apascentava o seu rebanho, ou como outros, lendo as mesmas palavras, o fazem de igual modo, para os lados da Quinta do Patino, ou Cascais.

Primeiro: nem todos, por amor ao dinheiro, se perdem.

Segundo: pode-se amar o que o dinheiro compra, o seu fruto, sem se amar o dinheiro, em si.

Terceiro: de fora fica o ourudo , que de tanto ter querido e crido, já não acorda, querendo.

Paulo, o fariseu, bem amansou a palavra do zelota, tornando romba a espada do essénio, em nome do ecumenismo mitológico da cruz. Paulo, o reformador do ditado de cristo, que iniciado nos sofismas farisaicos fez do cristianismo, um paulismo, um paul.

Como me entendo, e se entende, mais esta breve sentença :

"Mais fácil é entrar um camelo pelo buraco de uma agulha, do que um rico no Reino do Céu."

Cristalina.

08 Set, 2019

...

 

Receio ter sido incompreendido, por ao ter percebido , não ter, nunca, perdido a vontade de sorrir.

 

In your room

Where time stands still

Or moves at your will 

Will you let the morning come soon

Or will you leave me lying here

In your favourite darkness

Your favourite half-light

Your favourite consciousness

Your favourite slave In your room

Where souls disappear

Only you exist here

Will you lead me to your armchair

Or leave me lying here

Your favourite innocence

Your favourite prize

Your favourite smile

Your favourite slave

I'm hanging on your words

Living on your breath

Feeling with your skin

Will I always be here

In your room

Your burning eyes

Cause flames to arise

Will you let the fire die down soon

Or will I always be here

Your favourite passion

Your favourite game

Your favourite mirror

Your favourite slave

I'm hanging on your words

Living on your breath

Feeling with your skin

Will I always be here 

08 Set, 2019

...

 

A pobreza, a miséria, na maioria das vezes não é uma opção pessoal. É-se para ela lançado, pela Escola que foi a nossa, pelo "Bairro" onde vivemos , pelos amigos que nos fizeram , pelo olhar que nunca vimos, pela cor em que nascemos, pelo apelido que temos. E por outras forças, alheias, que nos marcaram no fogo do crescimento (os anos de condicionamento psicológico) . Claro que há excepções mas, são isso mesmo, excepções. 

E finalmente sobra ainda aquela capacidade de formarmos uma carapaça, dura, aos riscos de fora. Essa carapaça que, felizmente, em dada altura da vida, não deixou entrar quase nada mas, que noutra, mais adiantada, continua, desgraçadamente, a fazer o mesmo. A não deixar que nada entre e a impedir que nada saia.

08 Set, 2019

...

 

Quando penso sobre a libertação do Homem, do Trabalho, faço-o metaforicamente. Trabalhar é transformar, mas pensar, entender, é também transformar, o que existe dentro e o que existe fora. Por isso Pensar é Trabalhar.

Quando falo em usar a tecnologia para substituir o Homem, sigo o raciocínio inicial, aquando da invenção da primeira máquina a vapor. Tornar menos pesada a vida. Tornar menos presente a necessidade. Tornar o Homem mais Livre (da Necessidade) . É nisto que consiste a ciência. É nisso que ela se justifica.

Quando falo na substituição do Homem, pela máquina, vinco também a eficiência superior da máquina na execução de um trabalho e como isso se traduz numa poupança de recursos (materiais, intelectuais, espirituais) . Recursos que poderiam ser usados para outros fins, ou apenas não gastos.

Claro que as hierarquias nunca desaparecerão, apenas mudariam. Mas julgo que seria preferível ter como exemplo o pai, que usa o seu tempo com a família, do que aquele que, em nome da família, o gasta, e se agasta, longe dela.

Quanto aos interesses cósmicos, metafísicos, quanto às grandes questões da vida, desdenhadas por esta pragmática sociedade, habituada, ensinada sob o Altar do Trabalho, talvez se houvesse mais tempo, e menos preocupação com as coisas comezinhas da vida, houvesse mais atenção, na Escola, e nos pais, em formar Pensadores e não trabalhadores. Lembrando-me de Einstein, a Sabedoria é o que fica depois de esquecermos o aprendido na Escola.

Como pode haver Progresso, se as preocupações, de hoje, são as mesmas do que no passado? No fundo, apenas comer, quando não um esquecer.

08 Set, 2019

...

 

Tenhamos cuidado com certos dizeres, ditos da sabedoria popular, porque muitas vezes, tais engenhosos saberes provêm de donos de Engenhos. Inventiva propaganda que pretende justificar, manter, convencer que o sistema social, político, económico, a distribuição do Poder, ou mesmo que a Injustiça, a todos visível, é justa, pois certa é a Ideologia, vigente, que não impede a cegueira da Justiça.
Limitando-me ao Trabalho, se quem trabalha for convencido que o Trabalho é um Valor, que vale por si, é meio caminho andado para deixarmos de ter pé, entre o que é digno trabalho, e o que é indigna exploração (o que se recebe, como pagamento do trabalho, vale menos que o sacralizado Trabalho).

"O trabalho enriquece, a preguiça empobrece"

05 Set, 2019

...

Pensando como a pobreza, geral, pode servir de garantia a um Regime Político Marxista :

- Usado pela maioria, deserdada, como instrumento "justiceiro" sobre uma minoria proprietária, considerada como causadora das misérias do país. A "justiça" confunde-se, assim, formalmente com um castigo social , ao desapropria-la (Nacionalização dos Meios de Produção, Aumento, desproporcionado, dos Impostos sobre os Rendimentos mais altos, etc), sem, contudo, se criarem novas políticas económicas para que os que não Tinham, possam vir a Ter.

- Como um instrumento de vingança pessoal, mesquinho, seguindo uma lógica que permita a alguns não lutar pelo que seria natural e legitimo desejar-se, provocando a perda de propriedade, por parte de outros, inconscientes, ou não, os primeiros,  que aquela sua "falta de ambição" releva de uma incapacidade aquisitiva, derivada esta, de uma falta de engenho pessoal e não de uma conspiração do modelo político e social vigente (o Ideal Igualitário cria a errónea expectativa que todos temos capacidades iguais, sendo a desigualdade económica interpretada, sempre, como um tipo de "manipulação do sistema" ).

A crise, a pobreza, pode, desta forma, despoletar, paradoxalmente, cumplicidades deste género de invejas, ressentimentos, que implementam regimes de empobrecimento geral. A Infelicidade é mitigada quando todos forem miseráveis. O sentimento de pobreza é mais sentido quando existem "pobrezas desiguais" (pobreza absoluta vs pobreza relativa) - o marxismo não visa a sociedade sem classes, mas, sim, uma com uma única classe. De pobres.

Existem variadíssimos estudos, neuro-biológicos, sobre estes dois tipos de pobreza e os sentimentos, a ambos, associados (Schadenfreude).

As crises podem, enfim, servir como "desculpa" para as nossas próprias incapacidades.

Pág. 3/3