Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

Blogue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

...

 

Muitos são aqueles que facilmente encontram respostas para tudo. Conseguem-nas, estes, não por demoradas e acuradas reflexões, mas pela incompletude das suas próprias perguntas - a cintilância da descoberta depende de uma reluzente procura.

 

"Nem tudo o que reluz é ouro

Nem todos os que procuram estão perdidos"

...

51gVcbETiaL._SX384_BO1,204,203,200_.jpg

MYFAROG (Mythic Fantasy Role-playing Game) (second edition) is a fantasy role-playing game, with a setting based on European mythology, religion and fairy tales. The rules are very modular, meaning you can play the game rules light or rules heavy, as you please. The rules are designed to make sense, and to give the players the ability to immerse themselves in Thulê; a highly credible fantasy world similar to the European Classical Antiquity (some places touching into the Viking Age or the Bronze Age), but yet different. In Thulê, sorcery and the ancient deities are real, and the world is inhabited by not only humans, but also elves, nymphs, dwarves, ettins and trolls, as well as other creatures. This art-minimalistic 161 page core rule-book (with black-and-white interior) is an all-in-one rule-book, so it contains all the information you need to play the game (and to make your own adventures and campaigns) indefinitely. A digital high resolution map of Thulê can be found here: www.myfarog.org. Because the setting is based on real world locations (Lofoten and Vesteralen in Northern Norway) you can also use online map services, to get highly detailed and realistic maps of the world of Thulê, in any scale you want. NB! You need a set of polyhedral dice to play the game.

 

https://www.amazon.com/MYFAROG-Mythic-Fantasy-Role-playing-Game/dp/1522875077

https://myfarog.org/

...

 

 

 

 

Salário mínimo perdeu poder de compra desde 1974.

 

https://www.publico.pt/2009/12/14/economia/noticia/salario-minimo-perdeu-poder-de-compra-desde-1974-1413779

 

 

Portugueses têm menos poder de compra do que em 1974.

 

https://www.cmjornal.pt/economia/detalhe/portugueses-tem-menos-poder-de-compra-do-que-em-1974

 

Acredito que nada, alguma vez, mude (o exemplo do vídeo aplica-se a qualquer País, cujo Banco Central não pertença ao Estado, como o "nosso" BCE).

 

 

...

 

Theoden: Who am I, Gamling?
Gamling: You are our king, sire.
Theoden: And do you trust your king?
Gamling: Your men, my lord, will follow you to whatever end.
Theoden: To whatever end...
Where is the horse and the rider?
Where is the horn that was blowing?
They have passed like rain on the mountains,
Like wind in the meadows.
The days have gone down in the West,
Behind the hills, into shadow.
How did it come to this?

...

 

0550918b32a41d94a1f8489287b78481.jpg

 

 

- Bonito painel de azulejos!

 - Ah...mandámo-lo fazer há já alguns anos. Aquela, com um saco, à cabeça, é a minha avó. O da bicicleta, o meu avô. Depois, ali, o eléctrico, que apanhavam para ir à cidade vender feijão (os sacos, estavam cheios de feijão). O meu avô era trolha, mas levava de madrugada a minha avó, ajudando-a com os sacos que punha sobre a bicicleta. Iam cedinho, logo pela madrugada. A minha avó, depois, só regressava à tarde. E nós íamos e regressávamos sozinhos da escola e ainda ajudávamos, com os animais e assim....

 - Vida dura?

 - Gostávamos daquilo. Falávamos, brincávamos, ríamo-nos....Olhe, está a ver aquelas casas, ali adiante? Foram os meus avós que as mandaram fazer, uma para cada um dos filhos.

- O seu avô, trolha e a sua avó, vendedora de feijão!? Não querendo parecer indelicado, mas como conseguiram, sabendo eu, que eram tempos complicados, ganhando-se pouco... muita miséria?

 

(Respondeu-me sorrindo)

 

 

"O desemprego está a baixar e o rendimento disponível das famílias a subir, mas ao Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado (GAS), da Deco, chegaram neste primeiro semestre de 2018 mais pedidos de ajuda de famílias que já não conseguem pagar os seus créditos do que no mesmo período de 2017. E a taxa de esforço também subiu, passando de 70,8% para 73%".

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D