Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

20.12.18

...


Vorph "ги́ря" Valknut

 

Alan Moore (Northampton, 18 de novembro de 1953) é um escritor britânico conhecido pelos seus trabalhos em banda desenhada, muitos dos quais adaptados pelo Cinema, como Watchmen, V de Vingança e Do Inferno. Frequentemente considerado como o melhor escritor de banda desenhada de toda a história, ele também já foi descrito como um dos escritores britânicos mais importantes dos últimos cinquenta anos.

 

20.12.18

...


Vorph "ги́ря" Valknut

 

d67980780705bdb608e5c0f90d455c0e.jpg

"A Felicidade é a mais insidiosa das prisões"

Alan Moore

 

Quando a vida, por fim, nos sorri, tendemos a minorar, inclusive a ridicularizar, as indignações dos outros, esquecendo-nos, oportunamente, que elas, um dia, também foram as nossas. 

20.12.18

...


Vorph "ги́ря" Valknut

c76003546085cbbb9412bf0383ce8019.jpg

 

No tempo histórico ou, melhor, aquando da sedentarização das comunidades humanas, aproximadamente há 13.000 anos, em consequência da "invenção" da agricultura e da domesticação dos animais, era comum a derrota "militar" de uma comunidade (de agricultores), por outra (nómadas-pastoralicia), sem que, contudo, houvesse uma ocupação permanente do espaço físico daquela. A derrota tinha como único objectivo o saque.

 

Contudo, quando as "tribos" guerreiras, nómadas (pastoralicias/recolectoras), perceberam as vantagens da sedentarização (acumulação de alimento, sem a necessidade da "eterna" deambulação) passaram a ocupar, permanentemente, o território conquistado, tornando-se assim necessária a invenção de uma nova forma cultural de Dominância, que visasse quer a continuação do seu privilégio (pagamento do tributo), quer uma coabitação pacifica, entre a casta dos novos senhores, e a restante comunidade. Esta coabitação era essencial para que a economia não esmorecesse e o pagamento do tributo (mais tarde chamado imposto) se mantivesse. Em troca a "casta guerreira" atribuia-se o Dever da Defesa/Segurança do Território, legitimado no Direito, exclusivo, de só ela ter a Liberdade de exercer a Violência.

 

Esta é a origem do Estado. Ele surge associado à tomada, ilegítima, pela força, do Poder, por parte de uma comunidade de "privilegiados "/casta guerreira, que monopoliza, para sua protecção, o uso efectivo da violência. Para esta legitimação tornou-se fundamental a "persuasão", quer dos antigos lideres comunitários, por via do suborno/ameaça, e/ou de benefícios pessoais, representados pela atribuição de "lugares" na nova Estrutura de Poder, quer da maioria dos membros "comuns". Os intelectuais (seculares e religiosos) são para isso usados, através da criação de uma propaganda ideológica, que sancione a justiça (por vezes divina -  os chefes eram os ungidos por óleos sagrados; desrespeitar a Autoridade era desrespeitar o Altíssimo), e a necessidade "cientifica", daquele "Estado" de coisas (o Estado é como uma Lei Natural). Das criações propagandísticas, mais bem sucedidas, contam-se, o Bem Comum (um bem , que se alimenta da propriedade e trabalho do mais "comum" do povo e, para ele, sempre longínquo)  e o Contrato Social (contrato que nunca ninguém viu ou "assinou", e que legitima que uns "tomem conta" de todos). 

 

A forma que qualquer  Estado usa para se fortalecer é pelo enfraquecimento dos membros da comunidade que "representa", através da criação de dependências. Para este enfraquecimento pessoal contribuiu, de forma essencial, a Especialização Laboral  (sabe-se muito, de pouco, e pouco, de muito) , assim como a criação de uma nova colecção de "Impostos" (Tributos)/Deveres, limitantes da liberdade decisória individual, sobre as propostas apresentadas pelo Aparelho do Estado.

 

O Estado torna-se forte, sempre, pelo enfraquecimento do "Cidadão".