Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

09.12.18

...


Vorph "ги́ря" Valknut

"Come chocolates, pequena.
Come chocolates!
Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.
Olha que as religiões todas não ensinam mais que a confeitaria.
Come, pequena suja, come!
Pudesse eu comer chocolates com a mesma verdade com que comes!
Mas eu penso e, ao tirar o papel de prata, que é de folhas de estanho,
Deito tudo para o chão, como tenho deitado a vida."

 

09.12.18

...


Vorph "ги́ря" Valknut

sem nome.png

 

 

Repousa, para sempre,
Meu coração cansado
Que o engano extremo
Acreditado eterno – é morto.
Sinto, em nós, enganos puros,
Não, já ,a esperança ( o desejo, é extinto).
Dorme, até nunca, 
que o muito que pulsaste
Não vale coisa alguma.
De teu, nem o suspiro é digno.
À terra, amarga e balda
É assim a vida, mais que tudo.
É lama do mundo.
Aquieta-te, mas não creias,
Uma outra vez!
(Querer, nosso, o fado
Paga-se em morte).
Despreza-te, por fim,
E à natureza, e ao poder que, ingente, à comum perda leva
Brindo à Infinita vaidade de tudo.

 

 

Tradução semi-livre; Giacomo Leopardi (1798-1837)

 

09.12.18

...


Vorph "ги́ря" Valknut

Levanto-me atrasado à janela do meio dia e aceno ao que já passou. Sou, ainda, este miúdo, o da Rosa Maria. Mas, agora, jogado e esquecido como pão amarelecido. Lavo-me, à justa, pelos pecados de ontem, em nome dos de hoje. Tiro ao estômago o protesto, num sujo, habitual. Desenho, a palito, um corpo de delito...(Graciete?) E numa nódoa de gordura passo-me com o dedo. Penso, a aguardente e mexo-me, porque é já proibido ficar mais quieto. Vim-me, depois, num cansaço da Graciete. Limpo-me a umas noticias de ontem, e vou-me para um passeio breve. Daí a nada e estendo-me, já, em final cumprido, duvidando de alguma vez me ter levantado (que tudo é tão repetição). E pelo recomeço, adormeço. Em nome, de ti, medo meu, abdiquei-me. Mas que digo? É já tarde, demasiado tarde...