Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

Blogue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

...

"Quem decide quem vive?

Quem decide quem morre?

És tu, Acaso?

Se assim for nada disto faz sentido...

Olhem para mim! Estou aqui em cima, onde facilmente poderia ser metralhado, e nem um tiro levo. Nem um. Porque morreram os outros, e não eu? Todos morreram. Todos. E eu, aqui, à vista, gritando...continuo vivo!!...continuarei vivo?

És tu, Acaso que decides quem nasce, quem vive, quem morre, quem sofre, quem regozija?

Nada disto faz sentido. Nada...."

Magnus

"Neste mundo, um Homem sozinho é nada"

 

Os comportamentos não são intrinsecamente maus, ou bons por natureza. Eles dependem do contexto. Não existem comportamentos humanos mais naturais, do que outros (excepto quando derivados de doença). O comportamento visa sempre alcançar algo, transformar algo, ou alguém. Assim o que é natural ao Homem são os objectivos (Poder, Competição, Estabelecimento de Hierarquias Sociais, etc),  que se pretendem alcançar com determinados comportamentos (o Sucesso resulta da eficácia do comportamento). Sabendo-se, que o Sucesso tem natureza Simbólica e Arbitrária, pois a sua associação a algo (símbolo) é ocasional (dependente do tempo e do lugar)  - ex: o tipo de carro, o tipo de roupa ,ou tipo de penas, usadas, na coroa de um chefe índio, são símbolos diferentes de poder - ele é ainda concreto e material (o símbolo do sucesso deverá ser visível ao outro). Ora considerando verdadeiro tal raciocínio, veria como forma mais natural de nos melhorarmos, não a Culpabilização do Sucesso/cumprimento do objectivo (na maioria dos casos, uma culpa escorada em maus sentimentos) de outrem,  mas sim, por uma Transmutação dos Símbolos usados na identificação desse mesmo Sucesso. 

Confuso? Um exemplo prático.

Sabendo nós que todo o animal é naturalmente competitivo, e por isso um produtor de hierarquias (todos desejam ocupar os postos cimeiros da pirâmide) poderíamos modificar o Símbolo associado ao Sucesso. Por exemplo, fazer da partilha de algo, e não da sua acumulação, o símbolo do nosso Poder. Fazer do número de amigos, e não de adversários, um outro símbolo de Poder. Poderíamos fazer do tempo dedicado à família, e não ao trabalho, outro símbolo de Poder. O espectro seria infinito, pois não é o Homem ,o Animal Criador de Valores? 

Assim a mudança do Paradigma actual deveria ser imaterial - mudança nos símbolos de poder - e não, materialista - acumulação, ou obtenção dos actuais Símbolos de Poder. Contudo os políticos, os pensadores da mundo, os progressistas têm pensado de modo diverso....e assim patinando, não progrediremos...mas não sendo eu ninguém, quem me levará a sério?

 

...

Não há por aí outro mundo em que tudo se resolverá. Só temos este. Só temos este rochedo. O que é o nosso tamanho comparado com a vastidão do Céu, por cima de nós? Existimos sem um Propósito. Nascemos por nada, senão por uma vã e egoísta necessidade. E morreremos por coisa nenhuma. Mas desse nada, fizemos tudo. Tudo o que somos. Quem disse que do nada não poderia nascer coisa alguma? E é esse o nosso maior milagre.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

  • A Fluidez do Tempo

    12 Novembro, 2019

     

  • 09 Novembro, 2019

      Em preparação para a subida ao Marão (1416 metros de altitude). A corrigir : 1) (...)

  • A régua da vida.

    07 Novembro, 2019

    A Morte é a medida de todas as coisas.  

  • 30 Outubro, 2019

    Vale a pena ouvir , nem que seja, apenas, para ver as "caras de parvo" dos "membros" do (...)

  • 23 Outubro, 2019

      "É frequente desencadearem-se as verdadeiras tragédias da vida de uma maneira tão pouco (...)

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D