Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

B(V)logue de Alterne

Gosto de, sob o Facho, usar a Foice mas, tenho, no Martelo, o meu maior prazer.

14.01.19

...


Vorph "ги́ря" Valknut

Vive-se, ou Sobrevive-se na "Cidade"? Eis a questão!

 

É-se mais no "Campo" e tem-se mais na "Cidade"?

 

Cada um que escolha conforme a prioridade da sua consciência, ou da sua carteira.

 

Para concluir, só um acrescento histórico. Segundo a Bíblia, a primeira Cidade teria sido fundada por Caim dando-lhe, este, o nome de Nod.

 

"Nas sociedades mais desenvolvidas os problemas relacionados com doença mental e perturbações psiquiátricas tornaram-se as principais causas de morbilidade e incapacidade, como mostram os estudos dos últimos 15 anos. Ainda que em todo o mundo as perturbações mentais sejam responsáveis por cerca de 31% dos anos vividos com incapacidade (DALYS), na Europa os valores atingem os 40%. Acresce que as previsões apontam para um aumento das perturbações mentais nos próximos anos. (Caldas de Almeida, 2007)

Em Portugal, o último estudo publicado aponta para uma prevalência total das perturbações mentais de 22,9% – maior taxa registada na UE – com destaque para as perturbações da ansiedade e depressivas (DGS, Carvalho, 2014).

A O.M.S. refere que a depressão tem vindo a aumentar e estima que continue a aumentar em prevalência, passando do terceiro diagnóstico mais frequente a nível Mundial em 2004 para o primeiro em 2030, seguida dos diagnósticos de doença isquémica coronária, acidentes rodoviários e doença pulmonar crónica obstrutiva (Christodoulou, 2012).

 

Na pós-modernidade, as relações sociais são muito precárias e realmente não é incentivado o verdadeiro “funcionamento social”. Antes imperam os relacionamentos virtuais ou muito superficiais.

Por outro lado, parece que temos de trabalhar de forma produtiva para nos ser dada a condição de saudáveis.

De facto, ao abordar os conceitos de saúde e de doença mental, é importante reflectir sobre o nosso entendimento sobre a própria condição antropológica do Homem e da sociedade, que envolve a cada momento crenças e valores não universais e não intemporais".

 

António Sampaio

Psiquiatra

 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.